sexta-feira, 23 de abril de 2010

BARÃO DE CEARÁ MIRIM


A história rasga o tempo, enquanto o homem a fabrica. Somos responsáveis pelo nosso passado, presente e futuro. Comentar esta história que nós mesmos fabricamos é contextualizá-la através dos seus valores por meio de estudos e pesquisa. É não deixar apagar na mente dos seres as marcas do crescimento de um povo para que todas as gerações descubram a historicidade de suas origens.

A princípio pairou sobre mim uma preocupação com relação ao convite para falar sobre a vida do Barão de Ceará-Mirim. Mas a curiosidade impulsionou-me a dinamizar com naturalidade uma pesquisa sobre a sua vida. Partindo então de perguntas preliminares tais como: Quem foi o Barão? Qual seu nome completo? De quem era filho ? O que fazia ? E pouco a pouco comecei a traçar o perfil deste homem que ajudou a construir a história da educação cultural e política na cidade de Ceará-Mirim.

Seu nome era Manoel Varela do Nascimento, tendo nascido em 1805 . Seus pais eram Felipe Varela do Nascimento e dona Teresa Duarte, tendo desposado dona Bernarda Varela Dantas.

Foi agricultor no vale de Ceará-Mirim e Dom Pedro II o fez Barão em julho de 1874.

As pessoas afirmam que o título de Barão veio por ele ter constituído e doado uma escola ao município. No entanto a construção da escola ocorreu quatro anos após ele ter sido agraciado com o título. Como o Imperador D. Pedro II não dava títulos sem antes verificar o que as pessoas haviam feito, a afirmativa citada anteriormente apresenta contradição. Isto leva a pensar que o baronato deve-se a outros serviços prestados à instrução pública no município.

Foi Alferes de 2a. linha, cuja carta patente foi assinada por D. Pedro I em Abril de 1828.

Mais tarde foi elevado a Coronel Comandante Superior das Guardas Nacionais dos municípios de Natal, São Gonçalo, Extremoz e Touros.

Em 1868 foi reformado, quando exercia o cargo de deputado provincial do biênio 1868-1869. Chegou a ser o terceiro vice-presidente da Província.

O Barão introduziu melhoramentos na indústria açucareira do vale. Foi um dos primeiros a utilizar o cilindro horizontal para triturar a cana e açúcar e divulgou a cana caiana.

Na carta diploma de Barão de Ceará-Mirim o senhor Manoel Varela do Nascimento é enaltecido como senhor de engenho e elemento característico do patriarcalismo rural da região. Foi o primeiro norte-rio-grandense agraciado por um título nobiliárquico no império.

Ele falecido em março de1881 e a baronesa em março de1890. O barão e sua esposa foram sepultados na capela do Engenho em terras da Usina São Francisco no Ceará-Mirim, túmulos ainda hoje conservados.

O grupo escolar que foi doado pelo Sr. Barão recebeu inicialmente o nome da Escola Felipe Camarão, onde funcionou cadeiras de latim e francês criados pelo governador Aminthas Barros em Março de1885, pela lei nº 949.

Em 1936 a escola passou a denominar-se “Barão de Ceará-Mirim”, nome que permanece. Os profissionais que ali trabalham, têm desempenhado o papel de educar crianças e adolescentes que assumiram a sociedade futura, construindo a história e dando continuidade a ação de vida dentro do município ou fora dele.

FONTE - SITE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CEARÁ MIRIM

Quem sou eu

Minha foto
SOU POLICIAL MILITAR DA RESERVA REMUNERADA DA GLORIOSA E AMADA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, EXERCI A FUNÇÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA NAS CIDADES DE APODI, FELIPE GUERRA,ITAÚ, RODOLFO FERNANDES, GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO, SÃO MIGUEL, DR. SEVERIANO, TENENETE ANANIAS E MARCELINO VIEIRA, ALÉM DE TER TRABALHADO NAS CIDADES DE MOSSORÓ, AREIA BRANCA, SERRA DO MEL, CARAÚBAS E PAU DOS FERROS. AMO A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS E AMO AMO AO MEU PRÓXIMO COMO AMO A MIM MESMO. SOU TORCEDOR DO BARAÚNAS (MOSSORÓ) E FLUMINENSE(RJ, TENHO A POLÍCIA MILITAR DO MEU ESTADO COMO UMA VERDADEIRA MÃE, TENDO EM VISTA QUE FOI NELA QUE PUDE CRIAR MEUS FILHOS E APRENDER UM MONTÃO DE COISAS BOAS.

LINKS