sexta-feira, 23 de abril de 2010

BARÃO DE CEARÁ MIRIM


A história rasga o tempo, enquanto o homem a fabrica. Somos responsáveis pelo nosso passado, presente e futuro. Comentar esta história que nós mesmos fabricamos é contextualizá-la através dos seus valores por meio de estudos e pesquisa. É não deixar apagar na mente dos seres as marcas do crescimento de um povo para que todas as gerações descubram a historicidade de suas origens.

A princípio pairou sobre mim uma preocupação com relação ao convite para falar sobre a vida do Barão de Ceará-Mirim. Mas a curiosidade impulsionou-me a dinamizar com naturalidade uma pesquisa sobre a sua vida. Partindo então de perguntas preliminares tais como: Quem foi o Barão? Qual seu nome completo? De quem era filho ? O que fazia ? E pouco a pouco comecei a traçar o perfil deste homem que ajudou a construir a história da educação cultural e política na cidade de Ceará-Mirim.

Seu nome era Manoel Varela do Nascimento, tendo nascido em 1805 . Seus pais eram Felipe Varela do Nascimento e dona Teresa Duarte, tendo desposado dona Bernarda Varela Dantas.

Foi agricultor no vale de Ceará-Mirim e Dom Pedro II o fez Barão em julho de 1874.

As pessoas afirmam que o título de Barão veio por ele ter constituído e doado uma escola ao município. No entanto a construção da escola ocorreu quatro anos após ele ter sido agraciado com o título. Como o Imperador D. Pedro II não dava títulos sem antes verificar o que as pessoas haviam feito, a afirmativa citada anteriormente apresenta contradição. Isto leva a pensar que o baronato deve-se a outros serviços prestados à instrução pública no município.

Foi Alferes de 2a. linha, cuja carta patente foi assinada por D. Pedro I em Abril de 1828.

Mais tarde foi elevado a Coronel Comandante Superior das Guardas Nacionais dos municípios de Natal, São Gonçalo, Extremoz e Touros.

Em 1868 foi reformado, quando exercia o cargo de deputado provincial do biênio 1868-1869. Chegou a ser o terceiro vice-presidente da Província.

O Barão introduziu melhoramentos na indústria açucareira do vale. Foi um dos primeiros a utilizar o cilindro horizontal para triturar a cana e açúcar e divulgou a cana caiana.

Na carta diploma de Barão de Ceará-Mirim o senhor Manoel Varela do Nascimento é enaltecido como senhor de engenho e elemento característico do patriarcalismo rural da região. Foi o primeiro norte-rio-grandense agraciado por um título nobiliárquico no império.

Ele falecido em março de1881 e a baronesa em março de1890. O barão e sua esposa foram sepultados na capela do Engenho em terras da Usina São Francisco no Ceará-Mirim, túmulos ainda hoje conservados.

O grupo escolar que foi doado pelo Sr. Barão recebeu inicialmente o nome da Escola Felipe Camarão, onde funcionou cadeiras de latim e francês criados pelo governador Aminthas Barros em Março de1885, pela lei nº 949.

Em 1936 a escola passou a denominar-se “Barão de Ceará-Mirim”, nome que permanece. Os profissionais que ali trabalham, têm desempenhado o papel de educar crianças e adolescentes que assumiram a sociedade futura, construindo a história e dando continuidade a ação de vida dentro do município ou fora dele.

FONTE - SITE DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CEARÁ MIRIM

sábado, 20 de fevereiro de 2010

HISTÓRIA DE CEARÁ MIRIM

O pau-brasil existente em quantidade na região era transportado através de um rudimentar sistema de navegação aproveitando as águas do rio Gramoré.
Os portugueses, juntamente com Antônio Felipe Camarão, o famoso índio Poty, que chefiava a tribo dos Potiguares tomaram a iniciativa no sentido de organizarem um povoamento. Fundaram um convento na aldeia do Guajiru, e numa área de terra concedida aos padres da Companhia de Jesus, construíram uma igreja, um prédio destinado a cadeia e a câmara municipal. Com o trabalho desenvolvido na organização do povoado, os padres conquistaram a estima dos índio de Guajiru.
Os índios estavam satisfeitos com os padres jesuítas, os colonizadores portugueses não, pois queriam as terras férteis do vale e para isso procuraram afastar do caminho a presença incômoda e ética dos jesuítas. Com o afastamento dos jesuítas, os colonizadores portugueses passaram a administrar sem a presença do elemento religioso e sem qualquer tipo de fiscalização. Uma Carta Régia do Marquês de Pombal proibiu sumariamente, sem qualquer motivo nem explicação, a participação de jesuítas na organização administrativa e de ensino do povoado. Com o afastamento dos jesuítas, os índios pressionados pelos colonizadores acabaram negociando suas terras com estranhos. Nessa época, chegaram os negros vindos da África, e com eles começava o trabalho cativo e formação dos engenhos de cana-de-açúcar, que vieram a comandar a economia e a história do vale do Ceará-Mirim. Nascia, assim, uma civilização própria com base nos senhores de engenho, conscientes do domínio econômico que exerciam, e de uma fidalguia poderosa e elegante. Era o final do século XIX, o vale prosperava e crescia com a produção canavieira.
Por algum tempo conservou-se um núcleo de ostentação e luxo. Surgiram os bailes aristocratas, as carruagens forradas com seda e as festas ricas e pomposas. Esses traços que marcaram uma Era caracterizaram, no tempo, a etapa patriarcal e escravocrata do açúcar.
Em 3 de Setembro de 1759, o município foi criado oficialmente, através de alvará, e instalado em 3 de Maio de 1760, na antiga aldeia de Guajiru, tendo por sede a vila de Extremoz. Em 18 de Agosto de 1885, a sede foi transferida para a povoação de Boca da Mata e passou a chamar-se vila do Ceará-Mirim. A transferência para vila de Ceará-Mirim foi suspensa através da Lei n° 345, de 4 de Setembro de 1856. Após dois anos foi novamente confirmada pela Lei n° 370, de 30 de Julho de 1858, instalado no dia 14 de outubro de 1858, que teve como primeiro administrador o senhor FRANCISCP DE PAULA SOARES DA CÂMARA. Em 9 de Junho de 1882, através da Lei n° 837, Ceará-Mirim recebeu foros de cidade.
A Câmara Municipal de Extremoz realizou sua última sessão no dia 22 de janeiro de 1857. Na Vila de Ceará-Mirim, a primeira reunião municipal foi a 14 de outubro de 1858.
À primeira sessão da Câmara Municipal de Ceará-Mirim, realizada a 14 de outubro de 1858, compareceram os seguintes membros:
• Francisco de Paula Soares da Câmara (Presidente) • Miguel Germano de Oliveira Junqueira • José de Góis de Vasconcelos Borba • Padre João Coelho de Souza • Joaquim Romão Seabra de Melo.
Ceará-Mirim tornou-se um dos primeiros municípios da Província do Estado. Os deputados provinciais Augusto Leopoldo Raposo da Câmara, Pedro Soares de Araújo, Antônio Carlos Fernandes Pimenta e Galdino Procópio do Rêgo, apresentaram, no dia 23 de maio de 1882, um Projeto elevando a Vila ao predicamento de Cidade de Ceará-Mirim. Esse projeto, depois de aprovado, transformou-se na Lei nº 837, de 9 de junho de 1882, dando à Vila o título de Cidade e Distrito sede de município.

aATUAL PREFEITO DE CEARÁ MIRIM


ANTONIO MARCOS DE ABREU PEIXOTO, natural de Paraú-RN, nascido a 19 de abril de 1963, filho de Francisco Rilto Peixoto e de Clarice de Abreu Peixoto. Em 5 de março de 1985 passou para a condição de aluno-oficial, três anos depois, 2º tenente, passando pelo posto de 1º tenente e Capitão. Nesse posto, deixa agloriosa PMRN e ingressa na Polícia Civil do Rio Grande do Norte, na condição de delegado de carreira. Em 5 de outubro de 2008 foi eleito prefeito do município de Ceará Mirim, o qual obteve 22.553 votos, equivalente a 60,68 5. Policial. Ingressou na Polícia Militar no dia 12 de março de 1984, na condição de aluno sargento PM, o qual concluiu o CFS-Curso de Formação de Sargentos, no CFAP-Centro de Aperfeiçoamento de Praças, em Natal, com o número 84006. Tem como companheiro de administração Luiz Antonio de Lima Ferreira, Natal, nascido a 25 de fevereiro de 1981

GERALDO JOSÉ DA CÂMARA FEREIRA DE MELO


Natural de Ceará-Mirim-RN, nascido a 12 de julho de 1935,filho de PEDRO FERREIRA DE MELO e ALMIRA DA CÂMARA DE MELO. Casado com Maria Edinolia Câmara de Melo, a qual foi duas vezes prefeita de Ceará Mirim. Foi vice- governador, secretário estadual, governador e senador da República. Tendo construído boa parte da sua vida pública em Ceará Mirim, colaborou com o governo de Aluizio Alves (1961-1966), tendo trabalhado no DNOCS. Foi indicado vice- governador do Rio Grande do Norte quando o titular era Lavoisier Maia Sobrinho(1978-1983). Em seguida, voltou para o grupo dos Alves e coordenou a campanha vitoriosa de Garibaldi Alves Filho para a Prefeitura de Natal, no ano de 1985. Isso lhe serviu de credencial para disputar o Governo do Estado em 1986. Com o slogan Novos Tempos, Novos Ventos e uma maioria de 14 mil votos, conseguiu eleger- se.

VÁRIOS PREFEITOS DE CEARA MIRIM

Edgar de Gouveia Varela
Eleito em 05/01/1958
VICE –João da FONSECA Silva Neto
Dr Rui Pereira Júnior – 15/11/1972
Edgar de Gouveia Varela
15/11/76
Vice – Helio Vem^^ancio Rodrigues
Roberto Varela 1982
Orione Barreto 88
Terezinha J. da Câmara de Melo
1992
Roberta Pereira Varela 1996
VICE – Sebastião Cruz
Maria Edinólia Câmara de Melo
Eleita em 01/01/2000
Maria Edinólia Câmara de Melo
Reeleita em 03/10/2004
Natural de João Câmara, nascida a 23 março de 1940, filha de Jerônimo Câmara e de Maria Ester de França Câmara, casada com o ex-governador e ex-senador Geraldo José da Câmara Ferreira de Melo, Como primeira dama do Estado, no período de 31 de janeiro de 1987 a 31 de
CEARÁ MIRIM
Roberto Varela, natural de Ceará Mirim-RN, nascido a 4 de novembro de 1928 e faleceu em sua terra natal no 4 de outubro de 2006. Era filho de Rui Antunes Pereira (22/06/1902 – 22/04/1995). Foi deputado estadual e prefeito de Ceará Mirim em três mandatos, o qual foi eleito pela primeira vez e m 3 de outubro de 1952, quando venceu seu opositor, na pessoa do ex-interventor Ubaldo Bezerra de Melo. Em 15 de novembro de 1968 conquistou seu 2º mandato, e em 15 de novembro de 1982 foi eleito pela terceira vez, cujo mandato terminou em 1º de janeiro de 1989.
Roberto Varela teve atuações muito marcantes em sua época como prefeito e deputado estadual, porém, ao falecer de um infarto fulminante acontecido em sua fazenda Nascença, no município de Ceará Mirim em 4 de outubro de 2006, ainda continuava atuante

BANDA DE MÚSICA "TENENTE DJALMA RIBEIRO" - CEARÁ MIRIM


A Banda de Música Municipal de Ceará Mirim –“TENENTE DJALMA RIBEIRO DA SILVA”, foi criada em 1938, a Banda de Música Tenente Djalma Ribeiro é uma das mais antigas do Rio Grande do Norte. Constitui-se num dos maiores patrimônios culturais do município de Ceará-Mirim. Tendo como regente o Maestro Manoel Davi de Souza, possui um arquivo de músicas em variados estilos e ritmos, atuando em eventos cívicos, religiosos e populares, além de realizar apresentações e retretas também nos distritos e até em outras cidades.

Em 1980 trabalhei com o saudoso tenente da gloriosa e amada Polícia Militar DJALMA RIBEIRO DA SILVA, no 2º Batalhão de Polícia Militar, sediado na cidade de Mossoró. Ele na época era o maestro da Banda de Música do Batalhão “30 de Setembro”, criada em 27 de setembro de 1976. Não entendo de música, porém, em minha opinião o Tenente Djalma foi o melhor músico da Polícia Militar em todos os tempos. Até acho que a Banda do 2º BPM somente foi respeita e aplaudidas quando ele a comandava

ANTIGO COLÉGIO SANTA ÁGUEDA - CEARÁ MIRIM


Localizado na praça Barão de Ceará-Mirim, antiga praça da Matriz, o oponente prédio do antigo Colégio Santa Águeda foi inaugurado no dia 14 de abril de 1937, tornando-se um importante educandário para a região açucareira, ministrado pela ordem Franciscana de Nossa Senhora do Bom Conselho.

A construção foi custeada pelos barões da cana-de-açúcar, criando condições para instruir seus descendentes. A inauguração do colégio ocorreu dentro de uma intensa programação festiva.

A fachada principal do prédio, de composição simétrica, possui uma porta de acesso com soleira de mármore, ladeada por seis janelas.

Atualmente o edifício funciona como sede da Secretaria de Educação e Desportos do município de Ceará Mirim.
FONTE - SITE GRANDE PONTO

RIO CEARÁ MIRIM

Ele nasce no município de Lajes, nos arredores de Santa Rosa e dirigi-se para o mar, onde atravessa os municípios de Pedra Preta, Baixa Verde, Taipu e Ceará-Mirim. Este rio é a quinta maior bacia do estado com 2.635 km², o que equivale a 4,9% da área do estado. O rio percorre ainda os municípios de João Câmara e Poço Branco, e deságua na localidade de Barra do Rio.

No município de Poço Branco o rio Ceará-Mirim é represado, formando a barragem Engenheiro José Batista do Rego Pereira, que possui uma capacidade de armazenamento de água de cento e trinta e seis milhões de metros cúbicos.

O Rio Ceará-Mirim banha o vale do Rio Ceará-Mirim, cujos os solos são de boa fertilidade e capacidade produtiva para a agricultura, estando hoje o vale todo ocupado com o plantio da cana-de-açúcar.

PRIMEIRA CÂMARA DE CEARÁ MIRIM

À primeira sessão da Câmara Municipal de Ceará-Mirim, realizada a 14 de outubro de 1858, compareceram os seguintes membros:

• Francisco de Paula Soares da Câmara (Presidente) • Miguel Germano de Oliveira Junqueira • José de Góis de Vasconcelos Borba • Padre João Coelho de Souza • Joaquim Romão Seabra de Melo.

MAIS

PONTOS HISTÓRICOS E TURÍSTICOS DE CEARÁ-MIRIM

Em novembro de 1999, alunas do Ensino Fundamental do Colégio Santa Águeda, sob orientação do Professor Severino Martiniano (Bill) visitaram alguns pontos considerados turísticos e históricos em Ceará-Mirim e produziram o relatório que segue:

Cruzeiro da Santa Cruz, edificado em 1850 no cruzamento da Avenida Café Filho, como símbolo da crença popular. Atualmente localizado na conhecida Rua da Cruz.
Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição. Concluída em 1900, é a maior do Rio Grande do Norte, com duas torres góticas de base triangular em agulha, mede aproximadamente 36 metros de altura. Possui dois sinos. A sua pedra fundamental foi colocada em 21 de fevereiro de 1858.
Ginásio Santa Águeda. Foi construído no século passado. Tem a ver com o primeiro juiz de Ceará- Mirim, da comarca: Inácio Fernandes Barros. É construído em dois pavimentos.
Olheiro Imperial D. Pedro II. Era desse olheiro que a população retirava a água quando a cidade ainda não possuía saneamento.
Engenho Carnaubal, edificado em 1840. É considerado o primeiro engenho da cidade de Ceará-Mirim. Foi fundado pelo português Antônio Bento Viana. Em 1843 foi inaugurada a primeira moenda de ferro, trazida da Inglaterra.
Engenho Guaporé, estilo francês. Foi onde se hospedou Dom José, o primeiro bispo a vir ao Rio Grande do Norte. No Guaporé aconteciam reuniões políticas, econômicas e sociais.
Casa Grande do engenho Guaporé, hoje Museu Nilo Pereira. Edificada por Vicente Inácio Pereira.
Casa Grande do Engenho Umburana, construída pelo padre Antônio Antunes, aproximadamente em 1866, estilo inglês. Era um refúgio dos padres.
Engenho Verde-Nasce, fundado no final do século passado. No início era movido a vapor, hoje é adaptado a energia elétrica. Tem como atração uma cerca de ferro. Foi fundado por Dr. Victor José Joaquim de Castro Barroca .
Engenho Cruzeiro, edificado em 1904 pelo coronel Francisco Onofre José Soares. Era construído em um único pavimento e possui grande valor arquitetônico.
Casa Grande do Engenho Cruzeiro foi construída pelo inglês Samuel Bolochaw aproximadamente em 1899, e se encontra hoje em ruínas.
Ruínas do Engenho Oiteiro, onde nasceu Maria Madalena Antunes Pereira. O Oiteiro foi construído pelo Tenente Coronel da Guarda Nacional José Antunes de Oliveira, em 1889.
Engenho Mucuripe, fundado pelo Coronel Antero Leopoldo Raposo da Câmara. Em 1935 foi adquirido por Ruy Antunes Pereira. Em 1975, Ruy Pereira recebeu o engenho por herança e vem mantendo até hoje. No início era movido a vapor e hoje funciona através da energia elétrica.
Mercado Público, construído em 1881 pelo Coronel Onofre José Soares, gerou grande conflito entre a população. Muitos tinham interesse de que a feira livre permanecesse na parte baixa da cidade. O impasse só foi resolvido em 1884, com a transferência para o mercado atual por imposição de uma lei municipal. Hoje o Mercado Público é tombado pelo patrimônio histórico.
Palácio Antunes, atual sede da Prefeitura Municipal, foi concluído em 1889 e a partir daí seria o local escolhido pelo mundo intelectual da Província para a realização dos seus saraus onde eram discutidos textos literários sob a orientação da escritora e jornalista Madalena Antunes e pelo poeta Juvenal Antunes. A obra em estilo neoclássico tem um grande valor arquitetônico e faz parte do patrimônio histórico e artístico do Estado, tendo sido tombada em 1988.
Biblioteca Pública Dr. José Pacheco Dantas , criada em 14 de agosto de 1945, recebeu posteriormente o título de “Biblioteca Modelo” do Rio Grande do Norte. Possui um acervo de mais de 15.100 obras e 6.435 sócios. O local possui salas de pesquisa, de leitura e um salão nobre para exposições, encontros e eventos.

MERCADO PÚBLICO DE CEARÁ MIRIM

Ainda no século XIX, a construção do Mercado Público de Ceará-Mirim causou grande movimentação popular.

O coronel da Guarda Nacional Onofre José Soares obteve do governo provincial a concessão para construir e explorar durante vinte anos o mercado público. O prédio foi inaugurado em 1881, conforme inscrição existente na fachada.

A feira, que até então se desenvolvia ao longo da rua Grande, foi obrigada, por decisão do governo municipal, a se transferir para o novo prédio do Mercado Público, o que deixou a população indignada.

A mudança definitiva da feira para dentro do mercado somente ocorreu após a Proclamação da República, em 1889.

Além do mercado, Onofre Soares construiu diversas casas e armazéns na mesma praça onde se localiza o mercado, e que tem hoje o seu nome.

Onofre Soares faleceu em 1º de maio de 1903, na casa-grande do seu engenho São José, no município de Touros.

O prédio do Mercado Público de Ceará-Mirim foi construído no centro da praça. Guarda intactas as suas linhas originais, muito simples mas extremamente elegantes.

As fachadas, de composição simétrica, têm características neoclássicas, com frontões e platibandas coroadas por elementos decorativos. O prédio apresenta partido de planta retangular, com cobertura de duas águas.

Nas fachadas principal e posterior há dois portões centrais de ferro, em vãos de arcos plenos, ladeados por óculos.

As fachadas laterais apresentam, cada uma, três portões de ferro, também em vãos de arcos plenos, intercalados por óculos.

O prédio foi tombado pela Fundação José Augusto, do governo do Estado, em 21 de janeiro de 1984, tendo recebido uma restauração patrocinada pela Fundação e concluida em 1987, durante o governo de Geraldo Melo.

Após ser reinaugurado em 1987, o velho Mercado Central não foi tratado com o cuidado e carinho devidos a um prédio de grande beleza.

Ao assumir a prefeitura, a prefeita Edinólia Melo encontrou o Mercado em péssima situação. Além da degradação que haviam sofrido as suas instalações, estava coberto de cartazes, com as paredes pichadas e sujas.

Em convênio com o Ministério do Turismo, Edinólia realizou meticuloso trabalho de restauração, que teve a sua supervisão pessoal, e transformou o velho Mercado Central de Ceará Mirim em um dos mais belos edifícios antigos do Rio Grande do Norte.

As obras de restauração foram realizadas no ano de 2002 e a reinauguração aconteceu no primeiro trimestre de 2003.

O mercado funciona normalmente e às quintas-feiras, permanece aberto até meia-noite, para que ali se realize a famosa "Quinta Especial", com apresentação de artistas da terra e convidados, grupos folclóricos e exposição de trabalhos dos artistas e artesãos locais, em um ambiente festivo e harmonioso. As calçadas e o pátio em torno do prédio se enchem de mesas e muita gente de Ceará Mirim, de Natal e de outros municípios comparece às noitadas.

Um ponto a destacar: desde a sua reinauguração, a população parece ter descoberto a beleza e encanto do velho prédio, que continua limpo, sem pichações e sem qualquer dano.
FONTE - SITE DA CÂMARA MUNICIPAL DE CEARÁ MIRIM

Quem sou eu

Minha foto
SOU POLICIAL MILITAR DA RESERVA REMUNERADA DA GLORIOSA E AMADA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, EXERCI A FUNÇÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA NAS CIDADES DE APODI, FELIPE GUERRA,ITAÚ, RODOLFO FERNANDES, GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO, SÃO MIGUEL, DR. SEVERIANO, TENENETE ANANIAS E MARCELINO VIEIRA, ALÉM DE TER TRABALHADO NAS CIDADES DE MOSSORÓ, AREIA BRANCA, SERRA DO MEL, CARAÚBAS E PAU DOS FERROS. AMO A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS E AMO AMO AO MEU PRÓXIMO COMO AMO A MIM MESMO. SOU TORCEDOR DO BARAÚNAS (MOSSORÓ) E FLUMINENSE(RJ, TENHO A POLÍCIA MILITAR DO MEU ESTADO COMO UMA VERDADEIRA MÃE, TENDO EM VISTA QUE FOI NELA QUE PUDE CRIAR MEUS FILHOS E APRENDER UM MONTÃO DE COISAS BOAS.

LINKS